Bom demais!

14/03/2015

Por Guilherme Buso – Gerente de Comunicação da Liga Nacional de Basquete

É bom demais fazer o Jogo das
Estrelas em Franca. A impressão que a gente tem é que todas as 313 mil pessoas
do município se envolvem com o evento. Onde quer que a gente vá, as pessoas nos
recebem incrivelmente bem, sempre nos dizendo que já compraram o ingresso e vão
ao jogo.

É óbvio que não cabe nem 2% da
população no ginásio, mas como o francano sabe tudo de basquete, sempre que
voltamos de lá, temos a sensação de que a cidade inteira esteve dentro do
Pedrocão.

O francano é tão basqueteiro que
numa entrevista para a rádio na semana do evento, o jornalista chegou ao ponto
de querer saber qual seria o trio de arbitragem que atuaria no Jogo das
Estrelas do NBB. É muito louco imaginar que entre inúmeras atividades
promocionais e ações sociais, a vinda de um astro da NBA, a estadia dos
principais nomes do basquete brasileiro na cidade e outras dezenas de atrativos
do evento, o francano não deixa de lembrar os pequenos e importantes detalhes
de um bom jogo de basquete.

O Jogo das Estrelas 2015 foi extremamente
especial por diversos motivos. O primeiro deles pela união das duas ligas,
feminina e masculina, algo inédito no basquete brasileiro. A festa ficou
completa com a presença da LBF ao lado do NBB.

As ativações dos patrocinadores e
as ações sociais que fizemos na semana do Jogo das Estrelas também foram
marcantes e elevaram o nível da organização do evento. Para se ter uma ideia,
conseguimos levar os atletas do NBB
ao encontro de 600 crianças do colégio CAIC
, na comunidade de City
Petropolis.

Levamos também os atletas para um bate-bola no meio da praça da Matriz,
ali do lado do tradicional Restaurante Barão. A rotina da cidade foi alterada
quando uma van lotada de atletas invadiu a praça na quinta e na sexta-feira,
trazendo mais basquete para quem estivesse por ali.

Já falei isso, mas é bom demais
fazer o Jogo das Estrelas em Franca.

Desde o primeiro momento que
Franca foi anunciada como sede do evento este ano, sentimos na hora o carinho e
a receptividade de todos. Eu, particularmente, tive que encarar a estrada
algumas vezes para preparar todo o terreno para a chegada das estrelas do
basquete e, sempre que voltava para casa, tinha certeza de que o Jogo das
Estrelas seria um sucesso, assim como foram em 2011 e 2012.


Na sexta-feira, dia dos torneios individuais, já sabíamos
que a escolha de voltar para Franca tinha sido acertada. Ginásio completamente
lotado, público eufórico, idolatria aos ídolos da casa, demonstrações de afeto
ao Nezinho, ou seja, tudo estava lá.

Foi bem emocionante a recepção da
torcida aos grandes nomes do basquete francano. Primeiro no Arremesso das
Estrelas, quando Edu Mineiro, Fausto, Paulão, Robertão e Chuí entraram em
quadra. Depois, o carinho com Hélio Rubens e, claro, a força incondicional que
foi dada aos atuais representantes do basquete francano: Léo Meindl, Marcos Mata,
Helinho e Coimbra, os dois últimos que retribuíram todo o apoio com os títulos
nas competições.

Ali, dentro do ginásio, você
percebe na hora como é bom demais fazer o Jogo das Estrelas em Franca.

A euforia só aumentou no sábado.
Logo no primeiro evento, no Desafio das Estrelas da LBF, o francano provou mais
uma vez seu carinho pelo basquete. Mesmo não tendo a tradição na modalidade
feminina, a torcida lotou o ginásio muito antes do pulo-bola e fez a festa das
meninas ficar muito mais linda.

Sem sair da arquibancada, a torcida esperou pelo Jogo das
Estrelas do NBB, que foi mais uma vez memorável
. Tudo estava lindo, o
jogo foi ótimo, pegado, e os brasileiros conseguiram dar um show em quadra ao
baterem os estrangeiros pela quarta vez consecutiva. Méritos também para o
jovem armador Ricardo Fischer, do Bauru, MVP da partida.

Com o término do evento fica
aquela sensação de dever cumprido, de que realizamos um grande evento do
basquete nacional, mas também fica aquela saudade.

É muito bom receber o carinho do
povo francano, que demonstra todo seu orgulho de dizer que mora na capital do
basquete. E isso para a gente que trabalha com essa bola laranja, não há nada
que pode nos deixar mais contentes.

Como eu disse algumas vezes no
texto e não canso de repetir, é bom demais fazer Jogo das Estrelas em Franca e
eu, realmente, espero que possamos voltar mais vezes. Muito obrigado.

COMPARTILHAR  

NOTÍCIAS